segunda-feira, 24 de julho de 2017

A Princesa Perfeitíssima e as Misericórdias (ii)

Os historiadores atribuíram o título de Princesa Perfeitíssima a Leonor de Avis ou de Lencastre, inspirados no cognome de Príncipe Perfeito por que ficou conhecido D. João II, mas também pelas suas excelentes qualidades, reveladas, nomeadamente, nas áreas social e cultural.

Prometi, no post anterior, avançar um pouco mais neste tema e eis-me aqui a fazê-lo.

Ao abrir a obra "As Misericórdias", de Costa Goodolphim, de 1897, fac-similada, deparo-me com um prólogo dedicado à Caridade, que o autor pretende apresentar como sendo a força motriz da alma portuguesa. Um panegírico aos Reis, Rainhas e povo, excelsos na sua forma de praticar essa instituição. Vejamos algumas frases soltas da sua exposição, a qual começa com uma citação de Garrett, (penso que se tratará do nosso Almeida Garrett):

Em nenhum paiz da terra ha instituição philantropica superior ou igual. Garrett


Continuando com o prólogo:

As paginas d'este livro são tributo ao mais formoso sentimento do coração humano.

O que é a caridade?

A caridade não é só a esmola que se atira para o seio do desgraçado, quando nas praças e nas ruas nos dirige as suas supplicas.

A caridade tem como missão suprema dar conforto sem vexame, erguer os miseros sem orgulho, tratar o servo como amigo, o operario como irmão, porque todos são filhos do mesmo ramo.

Ao lado do povo, que com a sua grande alma vae com o seu obulo e o seu trabalho erguer e sustentar instituições sympáticas, no seu ideal perfeitamente humano, vimos as rainha e os reis portuguezes levantarem monumentos de caridade, páginas formosas d'esta virtude.

A alma portugueza é a mais compassiva e a mais alevantada no exercicio de piedosa romaria em busca dos afflictos.

Povo que tem alma tão grande e tão alevantada, como sempre aberto á dor alheia, como se propria fosse, esse povo é grande e tem o primeiro logar na historia da humanidade.

A seguir, comecei a ler o primeiro capítulo que é dedicado à Misericórdia de Lisboa cuja fundação, como vimos no primeiro post, é atribuída à Rainha Dona Leonor. Para o meu espanto, Costa Goodolphim põe a tónica em Frei Miguel de Contreiras, e coloca esta questão: 

Como se fundou a Misericórdia de Lisboa?

Tendo como fonte a Chronica da Santissima Trindade, o autor traça o perfil caritativo de Frei Miguel Contreiras, orador popular,  "pae dos pobres", que, vendo o desamparo em que se achavam muitos enfermos pelos adros das igrejas e arcos do Rocio, intentou fazer um hospital para os recolher e tratar, tendo sido ele o instituidor da irmandade da Misericórdia de Lisboa. Seguindo esta linha, ele foi a alma, a cabeça pensante, embora tivesse contado com companheiros cujos nomes são indicados no livro. Confessor da Rainha, pediu-lhe o seu apoio.

Mas, espantemo-mos de novo:

Aqui, o jornal i * diz que a história de Frei Miguel Contreiras é uma história mal contada, que o frade espanhol pode nunca ter existido e que não passará de uma fraude histórica.

E esta, hein?!!!

Voltarei.

====

Obra citada: "As Misericórdias", de Costa Goodolphim.
Em bold - Excertos do Prólogo, pags: entre 5 e 13
De referir que o autor procura fazer uma análise
histórica através de outros documentos.

* A história do frade que é fraude

11 comentários:

  1. Olinda, é tão bom estudar a nossa História! Tenho, por exemplo, em espera, ali um livro sobre Isabel de Aragão.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. Minha amiga obrigado por esta cultural partilha.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
  3. Querida Olinda
    Que maravilha de postagem!!!
    Sabes? eu sou apaixonada por História, particularmente História de Portugal (isto já vem dos meus tempos de estudante...)
    Tudo que seja histórico - romances, filmes, documentários, palestras... apaixona-me!
    Por isso adorei esta postagem.

    Achei engraçada a "pergunta" que fazes no comentário no meu blog:
    "Por que será que a menina vivia dentro da concha e só cantava quando havia luar?"
    Porque o génio que tinha habitado a cabana, ciumento, lhe tinha lançado um feitiço - que ninguém a visse além dele. Como ele já tinha partido... a menina só podia escapulir-se à noite... :))))))))))
    Mas tudo isto era demasiado extenso para pôr num poema... rsrsrss - não achas?


    "Ver-nos-emos" em Setembro.
    Até lá desejo-te dias muito felizes.

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS


    ResponderEliminar
  4. Estive a ler o que escreveu sobre Dona Leonor de Lencastre. É realmente uma figura fascinante e cheia de humanidade. Obrigada por toda esta informação partilhada.
    Uma boa semana. Um beijo.

    ResponderEliminar
  5. Dois magníficos posts sobre as Misericórdias e Leonor Lencastre.
    Não sabia alguns pormenores, obrigado pela partilha.
    Olinda, um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  6. E cá estou eu para " aprender " muito sobre as misericórdias, pois desconhecia quase tudo o que aqui expões. Adorei saber o que pensavam sobre a caridade e concordo plenamente com esses conceitos; infelizmente, não é assim que ela se pratica. Quanto ao frei Miguel, é natural que apareçam todas essas dúvidas, pois todos querem ficar com os " louros " Acontecem muitos casos desses na história. Obrigada, querida amiga, pelas informações dadas sobre este assunto, para mim já tão esquecido. Um bom fim de semana. Beijinhos
    Emilia

    ResponderEliminar
  7. Também cá venho aprender! Tenho verdadeiro fascínio por essas identidades dúbias ou falsas. Dediquei quase cinco anos da minha vida ao período a que costumamos chamar de Barroco, por causa deste fenómeno de autores/autoras...

    Beijinhos e aguardo o próximo «post»!

    ResponderEliminar
  8. A Caridade é... Amor. Singelíssimo, belo, precioso o teu "desvendar" História com afectos.



    Beijo
    SOL

    ResponderEliminar
  9. E uma história muito interessante...
    Atualmente, quando alguém está em dificuldades,
    recebe uns subsídios irrisórios...
    Vou acompanhar.
    Beijinho
    ~~~~

    ResponderEliminar
  10. Gosto muito de ler sobre as histórias dos reis e rainhas
    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Olinda passei para desejar uma boa semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar